07.09.2020

Memorial do Campo de Concetração de Dachau

de Irmã M. Elinor Grimm

Empenho pelos lugares religiosos do memorial em Dachau durante a pandemia  2020

Atuo ha alguns anos como palestrante no Memorial de Dachau. Em geral conduzo estudantes. Às vezes, são grupos de Schönstatt para trilhar nos vestígios do P. Kentenich. Devido à pandemia o memorail ficou fechado por várias semanas. Então, só era possível estar nos lugares de fora do campo. Como guias utilizamos o Homeoffice para pesquisas, preparação de estudos e continuação da formação.

„Cicerone“ – uma nova oferta

É uma oferta especial a partir de pentecostes.  Nos finais de semana damos palestras ao ar livre – sinal de reconhecimento: cachecol alaranjado e painel de informações sobre o local do seu compartimento. Os visitantes podem fazer perguntas. Há vídeos e ilustrações sobre o museu, que no  momento está fechado. O projeto foi muito bem aceito, conforme indicam os ecos.

Algumas experiências:

  • ­Temos mais tempo para acompanhar as pessoas.
  • Os visitantes fazem mais perguntas do que em um grande grupo.
  • Eles são muito gratos.
  • As pessoas refletem muito e buscam respostas.
  • Poucos quase nada conhecem sobre o tempo do nacional socialismo.Recebem esclarecimentos, especialmente eles se interessam pelo crematório e câmara de gás.
  • Ninguém sabe que, desde o final de 1940, todos os religiosos de outros locais da Europa central foram internados em Dachau. Assim eles ficam sabendo que representantes da Igreja também se opuseram a isto.

Infopoint „Memorial religioso“ – Stande „Capela da agonia de  Cristo“

Eu optei para este Infopoint. Os colegas acharam que este local „combina“ comigo. Com isto, ali estou protegido da chuva, das tempestades e do sol. Chamo a atenção dos visitantes sobre todos os lugares religiosos. Exponho também sobre o bom trabalho em conjunto na dimensão ecumênica. Alguns leem somente o painel informativo e outros ouvem a guia pelo áudio.

As visitas são as mais variadas: operários da  Europa oriental, pessoas com alto nível cultural, acadêmicos, famílias e crianças, estudantes, jovens casaizinhos, pessoas individuais … muito bom é quando se sabe outras línguas.

Impressiona muito as pessoas quando, às 15 horas, tocam os sinos. Seguidamente perguntam porque tocam neste horário. Querem saber o que significa „carmelo“ ou „precioso sangue“, o motivo dos símbolos da entrada (coroa de espinhos, arame farpado).

Alguns fazem o sinal da cruz na entrada da Capela da Agonia de Cristo. Outros trazem uma „vela“, que eu ocasionalmente acendo.

Muitos ficam deslumbrados pela construção munumental da capela, com o tamanho das pedras, mas também ao verem o cimento em forma de espinhos no espaço do altar. Uma colega sabia que este cimento procede da Oberbayern e que se chama „cimento do Senhor Deus“porque é utilizado sempre nas igrejas.

Meu tour cicerone em 8 e 9 de agosto

Eu estava justamente na estrada do campo, quando uma jovem senhora correu ao meu encontro e queria fazer algumas perguntas. Era uma universitária do Movimento de Schönstatt do Equador que estuda no sul da Alemanha. „Onde stão os lugares específicos do P. Kentenich“?  Verifiquei o que ainda tinha no meu bolso e dei-lhe material informativo. E fiz-lhe a oferta de, mais tarde, vir até o meu local junto a Capela da Agonia de Cristo. Nós duas nos alegramos muito por este encontro ocasional. Ela veio e trouxe consigo mais outras três estudantes.

Na manhã do domingo participei de uma cerimônia solene pelos 60 anos da Capela. As carmelitas também participaram. Era um grupo considerável, com certo distanciamento devido ao Corona. O celebrante principal foi o decano Dr. Lorenz Wolf e o ato foi embelezado por instrumentos musicais.

Após o almôço foi rezada também na capela a novena do Carlos Leisner, pois no dia  12.8. é o aniversário de 75anos da sua morte. A União „Santos do Campo de Concentração de Dachau“ deu explicações sobre isto. A presidente, senhora Neudert, trouxe dois novos Rollups e Flyer. Era um pequeno grupo ecumênico de oração.

O local da minha estande „Capela da Agonia de Cristo“ é central.

É uma boa chance aingir as pessoas de todos os lugares, sem pressioná-las. Uma alegria especial são os „Encontros de Schoenstatt“. Recentemente encontrei uma jovem do  Paraguay que me mostrou, com orgulho, sua grande medalha da MTA.

Por volta do dia 16 de julho duas liguistas fizeram uma peregrinação a Dachau, representando a sua comunidade, recordando a coroação da Mãe de Deus no bronze da imagem, que está no Memorial, a qual elas, então, presentearam a Maria um cetro.

No dia da fundação dos Irmãos de Maria e do Instituto das Famílias, encontrei na Praça do Apelo o senhor B. que pertence ao Instituto. Tal fidelidade me impressiona bastante!

Sou grata que foi possível a visita das Irmãs do Seminario Internacional de Schoenstatt. Pude guiar as jovens Irmãs pelo Campo, em pequenos grupos. O clima deste dia foi bem favorável.

No momento há  oferta de Cicerone até inícios de setembro. Quem sabe devido a muitas desistências, no próximo ano haja também possibilidades de ofertas nestes lugares.

Aumento das ofertas digitais

Com o aumento das ofertas digitais, eu pude ajudar as colegas com Live-tour  aos lugares religiosos. No Forum de Dachau / KEB colaborei em um Seminário Digital cujo tema era „Igreja, Religião e Fé no Naconalsocialismo“. Espero poder utilizar este material para  as próximas viagens  do Movimento de Schoenstatt a Dachau. MPHC.

No final de setembro acontecerá o tour com o meu tema „Estrategia de sobrevivência dos prisioneiros no Campo de Concentração de Dachau“ planejado pelo Münchner Bildungswerkes. Por causa  do Lockdown ele não pode se realizar no mês de maio.