15.08.2020

Para a vida diária … 08

de Ir. M. Renata Zürrlein

“Devo incorporar a minha pequenez na grandeza de Deus. O meu ser pequeno, a minha incapacidade deve ser imersa …em Deus Todo-Poderoso.

Minha fraqueza quer ser mergulhada, na grandeza e no poder do Eterno, o Deus Infinito.”

Pe. José Kentenich
Congresso de Outubro, 1967


Reflexão

“Pequenez, impotência, fraqueza” – não são exatamente nossas palavras favoritas.

“Sucesso, reconhecimento, influência, confirmação” – essas palavras são mais prováveis. Nossa natureza prefere, espontaneamente, tudo o que a engrandece externamente.
Nossas fraquezas, desajeitos, erros, etc. parecem contraditórios nesse sentido.

Mas, e se pudéssemos realmente acreditar e compreender que nossa pequenez é “absorvida” pela grandeza de Deus?
Nós somos grandes nele. Ele nos eleva à sua grandeza. Isso é infinitamente mais do que posso alcançar sozinho!


Eu acredito que Deus me vê, vê e me ama pessoalmente?

Eu acho que minha vida está inseparavelmente vinculada a ele?

Eu creio que ele me engrandece?