15.06.2020

Embalagens de alimentos para os mais pobres

de Lothar Herzog

A irmã missionária Marione Ginter

relata sobre os efeitos do coronavírus em seu trabalho.

Depois que os jornais noticiaram que houve mais de 1000 mortes no Brasil em um dia em relação ao corona vírus e que o estado de São Paulo agora tem mais mortes com a Covid  do que a China, alguns poucos cidadãos de Aichhalden ficaram preocupados com a Irmã Marione. Afinal, a capital deste estado de mais de doze milhões de habitantes está a apenas cerca de 50 quilômetros de Atibaia, onde a atual Irmã de 83 anos faz trabalho missionário há 58 anos.

Como ela explicou ao Mensageiro da Floresta Negra no Skype, Atibaia, que tem quase 130.000 habitantes, tem sido até agora poupada em grande parte do corona vírus. No entanto, havia uma regulamentação rigorosa. Ela disse que apenas uma pessoa por dia podia deixar o complexo residencial nos arredores de Atibaia, onde mora com quase 70 irmãs, para ir às compras na cidade ou levar um recado. Enquanto isso, elas fazem seu próprio pão.

Elas não têm permissão para receber visitantes, e no momento não é permitida a vinda de peregrinos. “Mas temos muita sorte de um padre viver aqui e não ter permissão para sair por causa da Covid. “Então há uma Santa Missa para nós todos os dias”, que Irmã Marione considera uma grande felicidade e lhe dá a certeza: “Deus não nos deixa”!

 

Devido às restrições, ela teve que reorganizar seu trabalho missionário. Há 24 anos ela cuida de uma creche em um bairro pobre, com cerca de 230 crianças a partir dos três anos de idade. Ela ajudou a planejar e construir este centro. Ali, as crianças são cuidadas durante o dia e educadas no espírito cristão. As famílias dessas crianças são, às vezes, muito pobres. Ela conhece muitos deles pessoalmente.

Com o dinheiro que ela recebe de doação, Ir Marione pode comprar comida e distribuí-la para os mais pobres. Como isso não é mais possível, ela compila uma lista de embalagens de alimentos que ela deixa no mercado com os endereços dessas pessoas. Lá as pessoas carentes podem então pegar a encomenda. As irmãs pagam a conta, cerca de 1.000 euros por mês. “Eu ainda os somo todos na minha cabeça”.

As encomendas de alimentos também são distribuídas na creche. Até o final do mês, a casa das irmãs e o centro de atendimento pós-escolar permaneceriam fechados. Ninguém sabe o que vai acontecer depois disso. “Se não houver relaxamento em breve, mais pessoas morrerão de fome do que de doença aqui conosco”, teme a Irmã Marione. Portanto, a creche continua a depender de doações da pátria.

(de acordo com um artigo no Mensageiro da Floresta Negra de 22 de maio de 2020)