04.02.2020

Drum solo para Burundi

de Irmã Mariana Hermann

Percussionista arrecada
doações para Burundi

Em 20 horas de gravação, num estúdio perto de Munique, na Alemanha, Bernardo Boll lançou seu projeto: um solo de percussão, a fim de recolher doações para o seu projeto predileto, uma nova clínica na estação missionária de Mutumba (Burundi/África).

O vídeo do youtube dura seis minutos e meio.
É digno de ser visto: ritmos variados, intermeados por variações de luz e efeitos especiais. O projeto de ajuda é realizado em colaboração com a Central Missionária das Irmãs de Maria de Schoenstatt
.

Bernhard Boll recebeu a primeira inspiração para o projeto em 2019, ao visitar a sua mãe. Conservaram sobre a falecida tia Erna Kiebler, que era Irmã de Maria de Schoenstatt e foi enviada em 1952, aos 23 anos, para a África do Sul, como Irmã M. Bernita. Em 1962, ela partiu com duas coirmãs para Burundi, no leste da África.

Elas receberam a tarefa de edificar uma estação missionária, onde existe uma capela, um centro de saúde com ambulatório, maternidade e um hospital com 40 leitos, uma residência para as Irmãs e uma escola profissionalizante com internato. Mas, ainda falta uma pequena clínica, onde se possam realizar cirurgias simples, como por ex. cesarianas.

Irmã M. Bernita, até à sua morte, prestou uma colaboração decisiva para a edificação da estação missionária e ajudou milhares de pessoas em suas necessidades. Já em 1992, recebeu, por isso, a Cruz de Mérito Federal do Presidente Federal da Alemanha, Richard von  Weizäcker.

O Sr. Boll, durante anos, continuou a manter contato com sua tia, por meio de cartas. Agora, já adulto, uma visita à sua mãe significou o início do projeto de carregava no coração: “Olhamos, juntos, fotos, artigos de jornais e documentação dos 60 anos passados. Tivemos uma conversa muito emocionante, durante a qual eu me conscientizei pela primeira vez do que aquela mulher conseguiu realizar”, conta ele.

Logo surgiu a ideia de unir o projeto à sua grande paixão, ou seja, à percussão. “A relação entre a minha tia, o país e a estação missionária, assim como o meu hobby é simplesmente fascinante”, exclama, entusiasmado.

Em Burundi, tocar tambor é algo singular: os meninos aprendem já nos primeiros anos de escola a tocar tambor e sobretudo a fazer tambores. O assim chamado tambor de Karyenda, como símbolo de esperança e de paz, não pode faltar em nenhuma festa ou celebração litúrgica.

No outono de 2019, chegou para Bernhard Boll o momento de começar: A gravação do vídeo no estúdio estava agendada. “No início, eu estava mesmo muito nervoso”, confessa o percussionista por hobby. “Mas, conheci pessoas legais que me ajudaram em tudo, tanto nas gravações de som como no filme e na edição.” Apesar das muitas mãos que ajudaram, passaram-se mais de 20 horas, até acertarem o som, os efeitos de luz e o vídeo ficar pronto.  “Acredito que naquele dia, toquei cerca de trinta vezes o solo de percussão”, diz, rindo, o Sr. Boll.

Com seus 50 anos de idade, foi ele o criador do solo e criou uma página da internet. Desde o início de novembro, tudo está online e até agora já recebemos certa de 10.000 euros em doações. O projeto para a construção da clínica está em andamento.

Sr. Boll sabe que o caminho até à meta ainda será longo, mas confessa: “Alegro-me com cada doação, por menor que seja. Desejo que as pessoas compartilhem com seus contatos o link, para que o maior número possível de pessoas conheça o projeto.”

Neste ano, Bernardo Boll quer viajar, pela primeira, vez a Burundi. “Até agora, eu tinha um pouco de receio, por causa das muitas agitações no país. Mas, agora estou decidido.”

O vídeo, as possibilidades de doações e outras informações interessantes sobre o projeto podem ser acessadas em

www.drumsolo-burundi.de