24.01.2020

Atrair as pessoas para o bem

de Sr. Mariana Hermann

Irmã M. Lisette Seitzer

nasceu em 30.7.1950 em Waldstetten, Alemanha. Em maio de 1970, entrou na comunidade das Irmãs de Maria de Schoenstatt, na África do Sul. Após se formar e atuar como professora, estudou psicopedagogia, antropologia e teologia, em 1984, foi enviada para Burundi, na África Central.

Missionária desde a adolescência

Desde a adolescência, Ir. M. Lisette sentiu um forte desejo de trabalhar na África. As cartas que recebia de sua tia, Irmã de Maria de Schoenstatt, que trabalhou como missionária na África do Sul, provavelmente contribuíram para isso. Ir. M. Lisette está há 50 anos na África e, atualmente, é responsável comunidade das Irmãs em Burundi: 40 irmãs, 12 noviças e 15 candidatas.

Múltiplas tarefas

Ao chegar em Mutumba, Burubdi, Irmã M. Lisette foi confrontada com a pobreza da população, mas também experimentou o impressionante empenho das Irmãs no hospital, na escola e na pastoral. No início, foi-lhe confiada a formação das Irmãs e, além disso, iniciou grupos, com a espiritualidade de Schoenstatt, da Juventude Feminina, de mães e de famílias, que rapidamente se espalharam por muitas dioceses.

Com entusiasmo missionário, ela também se envolveu em outros projetos. Procurou encontrar nas montanhas fontes de água, para assegurar o abastecimento de água potável do centro e organizou a restauração da central de turbinas de energia elétrica, que até hoje abastece o posto de enfermagem e o centro de saúde, bem como as escolas e, cerca de, 50 famílias.

Anos turbulentos

Ir. M. Lisette experimentou anos de muita instabilidade política em Burundi. Em 1987, como muitas outras missionárias, ela foi expulsa do país. Mas, graças à mudança de governo, após um ano, ela retornou. Nos anos da guerra civil, a central missionária das Irmãs sofreu vários ataques, das tropas rebeldes. Em 1º de maio de 1997, uma Irmã de Maria, pagou com o preço de sua vida, a vida de uma gestante, quando teve que dirigir em um local que tinha bombas escondidas, colocadas por rebeldes. Mas, corajosamente, em 1997, as Irmãs abriram  em Bujumbura, um centro para Encontros de Paz.

Esperança para o futuro

Mesmo que, até hoje, a situação em Burundi não seja fácil, Ir. M. Lisette olha para o futuro com grande esperança: “Estou experimentando aqui uma igreja viva, dinâmica e comprometida”. Ela vê como uma missão importante, colaborar para que as jovens Irmãs de Maria, de origem local, continuem o trabalho das missionárias. Assim se realiza o que ela tanto deseja para a África:

“Conquistar pessoas para Deus, para o bem, e mostrar-lhes o caminho da Aliança de Amor com Maria.
A preocupação com os doentes e os pobres faz parte deste caminho. Colaborar para uma educação eficaz, que prepare o futuro dos jovens nesse país”.