06.01.2020

Um estrela, cuja luz brilha ainda hoje

de Ir. M. Anne-Meike Brück

Gábor Paál, jornalista-científico alemão e autor, responde em uma entrevista a pergunta:

“Como saber se ainda existe realmente a estrela que você vê à noite?”

É uma pergunta interessante e não é tão fácil de se responder. Pois, as estrelas estão distantes de nós há centenas de anos-luz. Mesmo quando elas não existem mais, por um longo tempo, ainda é possível ainda, a partir da terra, ver a sua luz.

Uma estrela, cuja luz brilha ainda hoje

Festejamos a festa dos Reis Magos, no dia 6 de janeiro. Estes homens sábios do oriente seguiram uma estrela. Em cada festa de Natal, nós cantamos o brilho desta estrela, que apontou o caminho para Belém.

Para os Reis, foi um longo caminho seguindo a estrela, em meio aos perigos e escuridão, até que ela parou. Então, eles sabiam: Agora chegamos ao nosso destino. Eles encontraram um recém-nascido pobre, deitado em uma manjedoura, rodeado de animais e com cheiro de curral.

A estrela de Belém. Uma estrela que nos conduz para a criança no presépio.

Estrelas  – Sinais resplandecentes do amor de Deus

O Padre Kentenich encorajou-nos a procurar a estrela de Belém. Para ele, as estrelas eram um símbolo do que nos eleva na vida, do que nos pode realizar. Ele as interpreta como sinal do amor de Deus e elas estão ao lado daqueles que desejam alcançar a altura das estrelas em sua vida.

Seguir a estrela da própria saudade

Ir das trevas para a luz. Permanecer nos rastros de seu brilho. Será essa a lição que nos querem ensinar os três Santos Reis, num tempo de tanta insegurança e escuridão?

Precisamos ter uma clara visão para os sinais do céu. Precisamos de confiança heroica e dar passos ousados.

Os Reis Magos confiaram na mensagem da estrela, mesmo quando ela parou sobre uma pobre manjedoura.

A sua fé na orientação sábia de Deus era invencível.