29.11.2019

Maria atua!

de Schw. M. Ivone Zenovello, Italien

Ir. M. Ivone, do Brasil, mora em Roma e trabalha para a Campanha da Mãe Peregrina. Em suas viagens pela Itália, ela experimenta como, por meio da Mãe Peregrina, as pessoas experimentam a proximidade e a ajuda de Maria.

A Mãe Peregrina atua nas famílias

Uma jovem família de Sicília me disse que a Mãe chega exatamente na hora certa

Mariana, mãe da pequena Vittoria, entrou em depressão, devido ao falecimento de seu pai. A criança, de cinco anos, sofreu visivelmente com essa situação. Mudaram-se de casa, para que melhorasse. O proprietário da nova casa é missionário da Mãe Peregrina e a ofereceu para que a Mãe visitasse a família. Mariana hesitou, pois não frequentava a igreja há muito tempo, mas concordou, porque o olhar amoroso de Maria falava com ela. Uma noite, ela sonhou com o seu pai, que lhe repetia as palavras: “Você perde muito tempo!” Quando o vizinho lhes trouxe a Mãe Peregrina e viu o sofrimento da criança, pronunciou as mesmas palavras, sem saber do sonho de Mariana. Então, ela ouviu o conselho do vizinho e imediatamente levou a criança ao hospital infantil. Foi diagnosticado um tumor cerebral e o médico disse que se a Vittoria chegasse ali uma hora depois, seria tarde demais para a cirurgia.

Quando recebi essa notícia, eu estava no santuário e foi incrível o número de famílias que também rezaram por Vittoria. A sua cirurgia foi muito boa e o médico disse para a mãe: “Se você acredita – eu não sei como explicar – mas para mim isso é um milagre!” Apenas três dias depois, Vittoria foi liberada do hospital e agora está completamente curada.

Mariana testemunha: “Estou descobrindo atrás de tudo um sinal de Deus. A Mãe de Deus entrou na minha casa para me ajudar a interpretar as voz do meu pai em sonho: ‘Vocês estão perdendo muito tempo!’ Não é por acaso que minha filha se chama Vittoria, Jesus venceu a morte! Podemos repetir as palavras do médico: se acreditam! Eu creio! Vittoria nasceu de novo e a minha família também.”

Maria atua: junto aos idosos

Uma viúva, com quase 80 anos, recebe a Mãe Peregrina há quase dez anos, de 20 a 22 de cada mês. Nos primeiros anos, ela comprou flores no dia anterior, para ornamentar a imagem da Mãe de Deus. Os floristas até já sabiam disso. Agora, essa senhora não pode mais andar, mas a floricultura a surpreende a cada 19, com flores para ela entregar à Mãe Peregrina em sua visita!

Maria atua: nas paróquias

Em 2009, em uma paróquia na Sicília, conheci uma pessoa entusiasmada para começar com a Campanha da Mãe Peregrina. Ela encontrou grandes dificuldades. Mas, lentamente, mais e mais pessoas se interessaram por ele. A oração e a dedicação valeram a pena, hoje existem 107 santuários de peregrinos nesta diocese. Um padre, que inicialmente não apoiava a Campanha, se empolgou tanto que organizou uma audiência com o novo bispo para que pudéssemos lhe apresentar o Movimento de Schoenstatt e a Campanha da Mãe Peregrina. O bispo nos recebeu de braços abertos e ficou muito interessado.

Em muitas paróquias da Itália, existem padres de outras nacionalidades. Fico impressionada com a alegria que eles têm por encontrarem a Mãe Peregrina das famílias nessa nova cultura à qual eles precisam se adaptar. Relata um padre franciscano do Peru:

“A transferência para a Itália não foi fácil para mim. Foi um consolo e um sinal de esperança que minha nova paróquia é dedicada a Nossa Senhora. Durante os meus primeiros contatos com os movimentos, também descobri Schoenstatt, porque um grande número de famílias recebe a Mãe Peregrina e se reúne, no dia 18 de cada mês, para formação e a Missa da Aliança. Como já conhecia um pouco da espiritualidade de Schoenstatt no Peru, vi nisso um sinal de Deus e a presença da Mãe de Deus que, por assim me dizer, esperava-me nesta comunidade. Coloquei tudo sob a proteção dela e sei que ela vai me ajudar.”

Depois de alguns meses, esse padre visitou os dois santuários de Schoenstatt em Roma. Ele presidiu ali a Santa Missa e disse: “Sem ela (a Mãe de Deus) eu não teria superado muitas dificuldades que encontro. Eu vim aqui para agradecer e farei de tudo para que o bispo e muitos padres conheçam o bem que a Campanha da Mãe Peregrina faz para as famílias e a Igreja.”

Gosto de trabalhar com a Campanha da Mãe Peregrina! É preciso cuidar de muitos detalhes e, muitas vezes, viajo durante semanas, mas vale a pena ver as maravilhas que a Mãe de Deus realiza nas famílias.