14.09.2019

Seu carisma e missão vivem em nós!

de Ir. M. Nilza P. da Silva

15 de setembro: Pe. Kentenich parte para a vida eterna!

O que aconteceu naquele 15 de setembro de 1968, às 7 horas da manhã, na Igreja da Adoração no monte Schoenstatt, Alemanha? A resposta é tão variada, quanto o vínculo e a compreensão do carisma do Pe. José Kentenich, que jaz, sob o chão frio de uma sacristia.

Para nós, Irmãs de Maria, naquele dia, o céu toca a terra, Deus se inclina e leva para junto de si nosso Pai e Fundador, que agora pode atuar muito mais do que antes, pois está junto de Deus.

Reavivar o fogo do seu carisma

Como disse o Papa Francisco, referindo-se ao Pe. Kentenich: “Deus necessita somente de uma única pessoa para realizar grandes coisas na Igreja e no mundo.”[1]. Por isso, celebrar o dia de seu falecimento não é chorar as cinzas do passado, mas, bendizer a Deus pelas grandes obras que realizou em sua vida e reavivar em nós o fogo do seu carisma, para que continue a iluminar a Igreja e a sociedade. Motiva-nos as palavras de São João Paulo II: “Vós sois chamados a participar da graça que vosso fundador recebeu e a oferecê-la para toda a Igreja.”[2].

Anunciar Maria

A graça da qual participamos é seu carisma mariano, que lhe deu também um grande amor e fidelidade a Igreja, uma fé inabalável na Divina Providência e um compromisso de colaborar na educação de homens novos, para a renovação religiosa e moral do mundo.

A graça da qual participamos é a sua missão, que “era e é anunciar a Mãe de Deus, revelá-la ao nosso tempo com a missão específica que Ela tem para o tempo atual a partir de seu Santuário de Schoenstatt.[3]

Por Cristo ao Pai

Nesse 15 de setembro renovamos o compromisso de continuar a oferecer essa graça de nosso Fundador para toda a Igreja e a sociedade, porque cremos na missão específica que Deus confiou a Maria, em cada Santuário de Schoenstatt: “fazer com que Cristo seja novamente elevado ao trono e realizar milagres de transformação.[4]

Agradecemos a Deus que, na Aliança de Amor, formou nosso Fundador como viva imagem do coração de Cristo para todos os que dele se aproximavam. Como disse o Cardeal Dom Lorenzo Baldisseri, “na pessoa do Padre Kentenich, Deus concedeu ao nosso tempo um pastor bom e fiel, formado segundo o coração do próprio Cristo.”[5] Por isso, o amor de Deus Pai se irradiava em todo o seu ser e muitos podiam vivenciar junto dele o que disse Jesus: “Quem me vê, vê o Pai!”(Jo 14,9)

[1] Papa Francisco, para a Família de Schoenstatt, outubro de 2014
[2] João Paulo II, para a Família de Schoenstatt, setembro de 1985
[3] Pe. José Kentenich, novembro de 1958
[4] Pe. José Kentenich, Londrina, 20 de abril de 1947
[5] Dom Lorenzo Baldisseri, para a Família de Schoenstatt, Santa Maria, abril de 2008