05.06.2018

“Vivenciar Corpus Christi em Schoenstatt”

de Irmã Petra-Maria Huber

Bendito seja sempre ó Deus Trindade

Este é o lema da procissão de Corpus Christi em Schoenstatt/Alemanha. Mais que 1200 peregrinos acorreram, no domingo, dia 3 de junho, ao Monte Schoenstatt, para participare da santa missa e da procissão. Muitos peregrinos das dioceses de Osnabrück e Eichstätt; de Wattendorf, diocese de Bamberg; de Marienfeld;  da região de Münster e de Heppenheim, diocese de Mainz, um grupo da França, outro da Suiça e muitos outros se puseram a caminho e se deixaram tocar e entusiasmar pelo ambiente.

O Corpo de Deus é também uma afirmação política

“Colônia do Céu” –  esta expressão, que o Pe. Kentenich usou para a consagração da Igreja da Adoração há cinquenta anos, foi o conteúdo da fala do celebrante principal, Pe. Bernd Biberger, Diretor Geral do Instituto das Irmãs de Maria.  Como as colônias antigas orientavam em sua vida política e social em torno da sede da qual eram dependentes, assim acontece também conosco: A Família de  Schoenstatt, sim, a Igreja em sua totalidade, deve ser uma imagem do céu. Quando levamos Cristo na procissão pelas ruas, nós expressamos a nossa prontidão de configurar a nossa vida comunitária como colonos do céu. Neste sentido, esta procissão é uma afirmação política: é um compromisso com os valores cristãos, isto é: um compromisso com o direito à vida de todas as pessoas, especialmente dos nascituros, das crianças, dos necessitados; é ainda um compromisso com as famílias ameaçadas, para que haja um mundo mais justo e pacífico.

Na procissão do Corpo de Deus nós nos confessamos por Cristo que está presente no sacramento da Eucaristia. Ela nos indica as verdades centrais da fé: para a nossa redenção e para o mistério da Santíssima Trindade.

Cada um de nós é um templo da Santíssima Trindade

‘No próximo sábado, dia 9 de junho, comemoraremos o jubileu de cinquenta anos de nossa Igreja da Santíssima Trindade, que foi construída propositalmente como Igreja da Adoração”, continuou Pe. Biberger. Pelo batismo, Deus Trino habita em nossos corações. A partir daí, Ele quer governar o mundo e se encontrar com os homens. Assim como a Mãe de Deus levou seu Filho para as pessoas, antes ainda dele ter nascido, assim nós devemos levar Cristo, para que as pessoas possam encontrá-lo.

Alegria na Fé

Nos dias que antecederam a festa, muitos colaboradores colheram flores e as colocaram em tapetes artisticamente elaborados. Assim, essas pessoas expressaram de modo especial a sua fé e alegria cristã. Esta alegria também estava presente na procissão, pela banda musical de Niederwerth, que acompanha essa celebração desde 1922.

Uma atenção especial é dada para as crianças que rezaram e, com entusiasmo, ofereceram as flores para Jesus.

2018-Fronleichnam in Schönstatt

Multiplicidade internacional

Assim como o Movimento de Schoenstatt é internacional, assim também foi a procissão. Havia bandeiras de numerosos países e representantes de diversas nações rezavam uma Ave Maria, em sua língua materna. Também os cantos eram em diversos idiomas.

Vários programas alternativos

Pela tarde os programas alternativos foram acolhidos com muita satisfação: meditação sobre o desenho dos tapetes, meditação no Santuário Jardim de Maria, rezas eucarísticas, roteiro com um guia pela Casa Padre Kentenich: “Vida com um Perfil”, oportunidade de confissões, cantos de adoração, pelo coro das Irmãs de Maria, na Igreja da Adoração…

Ecos de gratidão

–   Uma participante: Há anos, esse era o meu desejo: participar um dia na procissão de Corpus Christi em Schoenstatt. E agora isto se tornou realidade!

–   Outra afirma: É a primeira vez que vim aqui. Mas, eu virei de novo e, na próxima vez, trarei mais alguém junto!

–   Um casal: Nós já viemos muitas vezes aqui. Agora, trouxemos um conhecido conosco e lhe mostramos muitas coisas. A gente vem aqui com muito prazer!

–   Membros de um coral, que passava um final de semana ensaiando na Casa de Formação da Marienland, no Monte Schoenstatt, aproveitava o seu tempo livre para contemplar os tapetes de flores. Uma participante relata entusiasmada: Os outros nos mostravam fotos. Mesmo que no momento eu não esteja bem dos pés, no sábado à tarde, caminhei com outras pessoas no Monte só para olhar os tapetes, fotografar e compartilhar.

–   Um diácono, responsável pela romaria diocesana de Osnabrück, escreveu dias depois: Era surpreendente e impressionante em toda parte! As pessoas ainda poderão assimilar tudo isto por longo tempo.