14.04.2018

Quando a Irmã vem de novo

de Ir. M. Faustina Niestroj

Como regente de coral ao encontro do povo

Há alguns anos eu dirijo um coro misto no município vizinho. Eu sou formada em música sacra e tenho a tarefa de cuidar da música litúrgica no Centro de Schoenstatt na Liebfrauenhöhe. Ao lado do meu trabalho neste lugar, eu estou sempre presente nas comunidades vizinhas seja para tocar o Órgão ou onde é necessário reger o coro. Às vezes há uma saudação alegre „quando a Irmã vem de novo“. A gente se conhece. Para os dois lados é uma quebra da monotonia no sentido musical. Por isso nos alegramos mutuamente com os encontros.

Sem que eu esteja consciente, a Mãe de Deus atua a seu modo. Certa vez conseguiu de forma admirável, como Mãe Peregrina, conquistar mais apóstolos para sua campanha.

O tema para a celebração da primeira comunhão das crianças foi “o chamado dos apóstolos”. A responsável pela comunidade quis concretizar o tema, de forma que entrevistou algumas pessoas que também haviam feito uma experiência vocacional em suas vidas. É claro que a escolha recaiu sobre a única Irmã presente nesta celebração. Então me dirigi à frente e respondi às suas perguntas. Contei sobre minha origem na Polônia e como encontrei Schoenstatt.

 Esta narrativa motivou uma senhora, que também nasceu na Polônia, minha terra natal, a vir ao meu encontro e ela foi a pessoa de contato para formar o primeiro círculo da  Mãe Peregrina neste lugar. Ela mostrou ser um autêntico instrumento da MTA. Até hoje – já são 3 anos – este círculo está vivo.