20.12.2017

Redescobrir o Amor de Deus no Advento

de Ir. M. Adele Gertsen, Alemanha

Uma criança pergunta a sua mãe o que é Advento e Natal. A Mãe responde: “Ah, Advento e Natal é coisa bem cansativa.”

Tudo aquilo que se repete a cada ano ou o que experimentamos diariamente pode perder o significado, tornar-se rotina e até se tornar enfadonho, cansativo. Todos  sabemos disso. Será que isto vale também para o Advento e o Natal?

Somos chamados para o amor

Isto nunca acontece quando as pessoas são unidas em amor, em que o amor se torna concreto. Somos criados para o amor. Deus, o Amor eterno, nos chamou para a vida. A Ele devemos o amor. Somos chamados para o amor.

Há alguns anos participei de uma Missa de jovens. O sacerdote falou na homilia, como sucede quando duas pessoas se amam. E continuou: eles procuram constante contato. Aproveitam cada oportunidade para se encontrar. Aquilo que eles querem falar um para o outro parece não ter fim. E então dizem sempre o mesmo: “Eu te amo, eu te quero bem! Tu és meu único e tudo! Algo mais importante não existe para mim, para ti, faço tudo, te pertenço, para sempre…” Assim, sempre com novas palavras, eles expressam o seu amor. Nada é cansativo para eles.  O padre concluiu que podemos transferir esta troca de amor entre duas pessoas que se amam, para nossa relação com Deus, pela oração.

A Criança no presépio – Prova do Amor divino

Deus nos ama. Neste amor infinito, Ele deixa que seu Filho se torne homem por amor a nós. A criança no presépio é a prova máxima de seu amor por nós, homens.

Este é o sentido do Advento e do tempo do Natal: redescobrirmos, de novo, este seu amor, para que ele desperte em nós o amor ao próximo.

“Nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem para conosco. Deus é amor, e quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele.” (1Jo 4,16)

Padre Kentenich: reflexo do amor de Deus

Muitas pessoas experimentaram um profundo amor de Deus, na pessoa do Padre Kentenich. Sentiram-se amados e valorizados por ele. No dia 15 de setembro de 2018, se completarão 50 anos de seu falecimento. Como preparação para este dia, estamos vivendo um Ano do Padre Kentenich.

Nossa experiência no Secretariado do Padre Kentenich é a seguinte: cinqüenta anos após a sua morte, ele ainda continua vivo entre nós. Muitas pessoas cultivam um contato com ele. Para muitos, ele se tornou  companheiro constante do qual recebem orientação, também uma ajuda fiel, a quem devem muita gratidão e a quem sentem-se unidos. Nem conseguem se imaginar sem ele na sua vida.

Há pouco tempo escreveu uma senhora: “Sem o Padre Kentenich e Schoenstatt e tudo o que recebi por meio do Padre Kentenich – o Santuário de Schoenstatt, a Aliança de Amor com a Mãe de Deus, este maravilhoso lar espiritual – seria simplesmente impossível suportar tudo o que eu tenho de carregar.”

Outra carta diz: “Há anos sinto sempre de novo claramente a ajuda e a proximidade do Padre Kentenich e da querida Mãe de Deus. Eu confio firmemente em sua intercessão em todas as minhas intenções, preocupações e aflições. Ele é meu modelo e companheiro diário. Com gratidão, permaneço sempre unido a ele e rezo diariamente por sua canonização.”

Advento no Ano do Padre Kentenich

O Advento neste Ano do Padre Kentenich poderia nos impulsionar a nos orientarmos na Mãe de Deus e no Padre Kentenich, nestas semanas de preparação para o Natal. Isto significa: sermos abertos para o amor de Deus e aspirar pessoalmente a um amor sempre mais profundo a Deus.

Assim, as palavras do Padre Kentenich podem acompanhar-nos durante os dias do Advento:

“Esta é uma dupla e grande verdade, que sempre de novo precisamos gravar: Deus me ama, Ele me quer bem! Quando estou convicto disto, também sou capaz para tudo. A Criança no presépio é a mais eloquente linguagem do amor; mas não posso esquecer que Ele também quer ser amado por mim.” (Padre José Kentenich, 27.12.1933)