18.12.2017

Jubileu de uma solene refeição

de Ir. Ann-Marie Nicholas, África do Sul

Pe. Kentenich, com bispo Francisco Hennemann SAC e Irmãs de Maria, em sua visita na Cidade do Cabo – 1947/48

As Irmãs de Maria de Schoenstatt, da África do Sul, celebram, no próximo ano, o jubileu de 70 anos da primeira e única visita do seu Fundador, Pe. José Kentenich, no continente africano.

Durante  a sua estadia, Pe. Kentenich dedicou-se as questões da  comunidade das Irmãs, visitou paróquias e escolas, conheceu a vida do Movimento de Schoenstatt no lugar e fundou uma tradição, que perdura até hoje: em Constantia, cada ano as Irmãs de Maria convidam os sacerdotes desta diocese para um jantar festivo na Casa Provincial.

Dificuldades para entrar no país

Pe. Kentenich visitou a África do Sul no ano de 1947/48. As Irmãs haviam deixado a Alemanha há 4 anos e durante o tempo da guerra não haviam tido contato com suas famílias e com Schoenstatt, elas aguardavam com grande alegria a chegada do Fundador.  Porém, havia muitas dificuldades para conseguir o Visto de entrada na África do Sul. A primeira solicitação, apresentada no ano de 1946, foi recusada. No ano seguinte, também os esforços do bispo Francisco Hennemann SAC, que naquela época era bispo da diocese Cape Town e foi colega do Pe. Kentenich,  não tiveram êxito.

Nesta situação, as Irmãs duplicaram suas orações e sacrifícios e, ao mesmo tempo, levaram a sério as palavras do seu Fundador: “Quando estou perante de dificuldades, eu coroo a Mãe de Deus e coloco tudo em suas mãos. Então, ela sempre cuidou de tudo  perfeitamente.”

Graças a ajuda do bispo Hennemann, no dia 24 de outubro de 1947, chegou o tão esperado telegrama da embaixada sul-africana à Roma. Contudo, as Irmãs deveriam exercitar-se ainda na paciência, até o dia 29 de dezembro. Neste dia, elas receberam um telegrama, com a notícia de que o Padre Kentenich chegaria em Joanesburgo, no dia 31 de dezembro de 1947.

O rever na Cidade do Cabo

As Irmãs que residiam em Vila Maria, na Cidade do Cabo, deram as boas vindas ao Padre Kentenich, em 9 de fevereiro de 1947. Para elas, foi imensa a alegria de, finalmente, poder conversar pessoalmente com o seu Fundador, que há anos as enviou para levar a mensagem de Schoenstatt à África. Agora, elas tinham a oportunidade de contar-lhe sobre suas experiências vividas nos últimos anos e receber orientações para o futuro.

Além disso, elas apresentaram ao Padre Kentenich as primeiras jovens do Movimento de Schoenstatt da África do Sul, que, desde de 1940, participavam das reuniões em grupo. Durante a sua permanência ali, Pe. Kentenich  também encontrou-se com famílias interessadas no Movimento e com diversas associações. Ele visitou escolas, participou de encontros, nas comunidades em que as Irmas trabalhavam, assimilando a cultura do país e sua realidade.

Primeiro jantar para sacerdotes

Durante toda a sua vida, Pe. Kentenich foi muito acolhedor e para ele era muito importante, que a hospitalidade também impregnasse a comunidade das Irmãs de Maria. Em sua permanência em Vila Maria, ele convidou para uma refeição festiva o bispo Hennemann, os sacerdotes que pertenciam a paróquia da catedral, Pe. McNulty, Pe. Scheu e o reitor dos Padres Redentoristas. Os sacerdotes tiveram um belo convívio familiar e, após a refeição, Pe. Kentenich os convidou para que, cada ano, no dia 18 de outubro, eles viessem à Vila Maria fazer uma refeição, mesmo quando ele não estivesse presente.

Uma iniciativa que se manteve

Hoje,  após 69 anos, esta iniciativa continua e o convite abrange todos os sacerdotes da diocese. Devido ao grande número de sacerdotes que aceitam o convite, a refeição não é mais realizada na Vila Maria, e sim, na Casa Provincial com os seus belos jardins. Esta é uma ocasião rara, na qual o clero pode encontrar-se em uma atmosfera descontraída. Após o evento de 26 de outubro deste ano, o Pe. Rohan Smuts – administrador diocesano – escreveu: “Como sempre, todos os sacerdotes tiveram um belo tempo juntos e nós somos muito gratos às Irmãs de Maria pelo convite anual”.

A caminho do jubileu

No próximo ano serão comemorados os 70 anos da visita do Pe. Kentenich na África e com isso, também os 70 anos do primeiro convite feito  aos sacerdotes. As Irmãs de Maria, em Constantia, alegram-se em celebrar este jubileu com eles.